25 de mai de 2009

Zé Rodrix


Zé Rodrix, nome artístico de José Rodrigues Trindade, (Rio de Janeiro, 25 de novembro de 1947 — São Paulo, 22 de maio de 2009), foi um compositor, multi-instrumentista, cantor, publicitário e escritor brasileiro.

Estudou no Conservatório Brasileiro de Música, desenvolvendo a característica da multi-instrumentalidade: tocava piano, acordeão, flauta, bateria, saxofone e trompete. Tornou-se conhecido em 1967, ao participar do festival na TV Record daquele ano, acompanhando Marília Medalha, Edu Lobo e o Quarteto Novo em "Ponteio".

Na década de 1970, participou da banda Som Imaginário, que gravou com Milton Nascimento. Nessa época, Zé Rodrix compôs junto com Tavito a canção "Casa do Campo", uma de suas composições mais famosas, que foi um grande sucesso na voz de Elis Regina.
Participou também do Movimento Clube da Esquina.
Logo em seguida fez um conjunto de rock rural com Sá e Guarabyra: Sá, Rodrix e Guarabyra, no qual compôs um famoso jingle para a Pepsi, notabilizado pelo verso: "só tem amor quem tem amor pra dar". Zé Rodrix saiu do trio antes do final da década de 1970.


Na década seguinte, passou a fazer parte do grupo Joelho de Porco.

Abandonou a música pela publicidade nas décadas de 1980 e de 1990. Em 2001 reuniu-se novamente a Sá e Guarabyra.

Zé Rodrix morreu às 0h45 minutos do dia 22 de maio de 2009, após sentir-se mal e ser levado ao Hospital das Clínicas, em São Paulo, onde residia.


Foi casado com a atriz Norma Blum e teve seis filhos: Marya, Joy, Mariana, Rafael, Antônio e Bárbara.
O Brasil todo perdeu um Grande Mestre.... um Grande Homem.... um Grande Artista...
Homenagem do Fã-Clube Além Paraíso Oficial 14 Bis à este Grande Músico da nossa Música Popular Brasileira !!!

21 de mai de 2009

Show em Presidente Prudente/SP






























































Alguns amigos foram prestigiar um belo show que a Banda 14 Bis apresentaram na cidade de Presidente Prudente/SP no dia 17/05/09. Amigos reuniram-se para um churrasco em Pirapó com o 14 Bis, curtiram um belíssimo show e depois uma confraternização numa pizzaria.

Valeu Eduardo, Andréa, Dery e Zé Luís.....

17 de mai de 2009

Tens no ser girassóis
Querida pedra bonita,

Preciso lhe revelar: me apaixonei. Você me libertou das rusgas e mesquinharias cotidianas. Os tropeços, os engarrafamentos, os seres imprestáveis, o desânimo diuturno, o sistema perverso e todos os barulhos insuportáveis do viver se transformaram em estátuas de sal a dormir por mais de cem anos.

Em miragem concreta, veio você. Uma visagem limpando as heras, afastando os espinhos; tirando-me da caverna, acendeu em fogueira novamente meus versos. Lembrou-me das estradas eternas (e verdadeiras) que me vou.

Por sua causa, vi o ser humano se manifestar deus criador. Fazia tempo que as cortinas tinham se fechado para a admiração. Logo eu, que sempre acreditei haver alguns clareados por aí, estava me tornando opaca. Soturna demais. Mas você veio tão forte... Tão bela... Tão inesperada! Ascendeu-me as boas sensações dormentes. Agora me sinto vivaz, em paz e feliz! Seus dedos lisos, afagando os sulcos do tempo em minha face, deslizam em poema: "dorme um sono tranquilo na casa da paz".

As horas se tornaram telas a colorir e, meus olhos, duas lunetas voltadas às incontáveis estrelas do mar.

Em profundidade, inundo - por sua causa (e por minha) - meu caleidoscópio de sentimentos (giratórios e quebradiços) com a certeira esperança de que tudo passa. Percebo remontar os cacos em nacos amarelos e em tons alarajandos de "amanheceu vai além/tem nas mãos girassóis/brinca de ser o que for".

Rodopio as idéias e a força criativa assinala meu peito em alvo inscrevendo: "salta do nada, desata e dança ao redor". Leio nas pedras e volto a pertencer radiantemente acolhida. Meu peito saltita em percussão e "diz sorridente ao cigano que o sonho vingou/sai do abandono e ouviras as estrelas de luz".

Minha espontaneidade retoma as mãos e os desejos de fazer se jogam pelos meus ouvidos lambendo os tímpanos: "sai do silêncio, serena, serena canção/brinca de ser o que for/ tem nas mãos girassóis".

Inebriada de canção gargalho serenamente por minhas entranhas. Minhas veias convertem-se em instrumentos de sopro e minhas artérias em cordas de viola. Você penetra e me traduz em música. Risca em mim o nome do amor.

Sentir-lhe grava em mim "a laser histórias que ainda não sei ". Vou contente a repetir-lhe. Uma. Duas. Dez. Cem vezes. Num sem fim para me integrar a você como se integram as vozes uníssonas do coral. Pede bis. 14 Bis. Encantada me lanço em "riscos da arte/ capricho da sorte que vem".

Com amor,
Solange Pereira Pinto


Valeu Solange!!!

6 de mai de 2009

Mais de 10.000 visitas

Galera já ultrapassamos de 10.000 visitas no Blog....

Agradeço à todos do FCAP por divulgarem o 14 Bis por todos os cantos do Brasil e pelo mundo...

Essa Banda merece nosso carinho, respeito, amizade... ... ...

FCAP Oficial 14 Bis !!!

Valeu Galera !!!

Vânia Siqueira

4 de mai de 2009

Comemoração do aniversário do Vermelho !!!

Entre amigos e sua família, nosso querido Vermelho comemorou seu aniversário, no último dia 27/04 em Belo Horizonte... Nossa amiga Anne esteve presente e registrou alguns momentos desta comemoração...


































































Valeu Anne....